02 / 03 / 2022 A FIV na Agro Antonio Balbino

Quando o projeto de FIV foi iniciado na Agro Antonio Balbino, a principal meta em fazer o programa era produzir animais de qualidade excepcional, dos 10% melhores animais da fazenda, para disponibilizar touros Nelore de altíssima qualidade, com um trabalho de seleção. Isso foi multiplicado rapidamente. Como resultado, os leilões Agro Antonio Balbino, a cada ano aumentam os valores de venda dos animais.

De acordo com Maurício, esses fatos deixam claro que os animais vendidos só melhoram a cada ano, além de agregar qualidade na fazenda. "Hoje nós conseguimos perceber o projeto de forma diferente. Não significa mais só produzir touros para a região, para o Brasil. Hoje estamos com um projeto muito grande com o Girolando para a produção de fêmeas com destino às regiões que tenham uma bacia leiteira", informa.

A grande importância da produção de embriões in vitro, para a Agro Antonio Balbino, é disponibilizar esse número de fêmeas em uma quantidade adequada para a bacia leiteira que se forma na região do Oeste Baiano.

Atualmente a Agro Antonio Balbino possui duas linhas: a de produção de touros e a de comercialização de fêmeas produtoras de leite. "O Balbino fez uma grande seleção de animais Gir, adquirindo uma quantidade razoável de doadoras, e nós temos aumentado a cada dia a produção desses embriões. Essa produção é feita tanto na Bahia quanto no Norte de Minas Gerais. É um projeto muito audacioso que hoje tem a mesma dimensão do Nelore", comemora o veterinário.

Cuidados necessários

Antes de começar um programa de fertilização in vitro, deve-se ter três pontos fundamentais em uma fazenda: nutrição bem assistida, sanidade muito bem controlada e um manejo que dê conforto ao animal. "Nós levamos essas questões muito a sério aqui na Agro Antonio Balbino. Isso, para nós, é fundamental porque, tecnicamente, quando você tem um estresse a fêmea não responde bem a nenhum programa de multiplicação", afirma o veterinário.

Importante lembrar que a seleção genética é fator preponderante para gerar esse "ambiente favorável". Uma fêmea, ou macho, selecionados para docilidade, irá transmitir isso para a progênie deles. "Outro ponto que traz conforto ao rebanho é a construção de um curral onde os animais não se sintam agredidos, com porteiras que não tenham quinas e que facilitem a rotação dos animais, porteiras largas, onde os animais sintam prazer quando entrar no curral", considera Maurício.

Aconselhável ainda ter boa mineralização, um cocho coberto, local de sombra, pastagens que não sejam totalmente degradadas. Tudo isso interfere quando o assunto é manejo.

Principais desafios ao aderir ao programa de FIV

Um dos principais desafios da Agro Antonio Balbino, ao implementar o programa de FIV, foi organizar os lotes de receptoras, devido ao tamanho e a magnitude do projeto, implantado na cidade de Barreiras-BA, uma região muito promissora do Brasil. Foi preciso adaptar o manejo. "Com a determinação de se fazer a fecundação in vitro, nós separamos lotes de receptoras, lotes de doadoras e as inseminações muitas vezes atrasam um pouco as doadoras", lembra Maurício.

O veterinário comenta ainda que o principal investimento no início de trabalho da Agro Antonio Balbino foi no sentido de disponibilizar um número adequado de receptoras que tivessem qualidade suficiente para serem boas mães e gerassem um bom produto.

Informar ao proprietário da fazenda quais doadoras devem ser trabalhadas, também é um desafio. Maurício conta que no Brasil, quando o assunto é pecuária, ainda existe muita paixão envolvida e pouco número. "O número de vacas tratadas com FIV ainda é muito baixo no país. Em um universo de 80 milhões de vacas, talvez em 200 mil seja usada a fertilização in vitro", acredita. Um número pouco expressivo, em comparação ao plantel nacional.

"Hoje tem fazendas que utilizam a fecundação in vitro em gado para abate, onde se procura simplesmente o ganho de peso. O Animal nascido de FIV, não pela técnica, mas pelo melhoramento genético que se faz, é um animal de excelente produtividade, que se reflete no ganho de peso e um desfrute maior no rebanho", esclarece Maurício.

Na Agro Antonio Balbino, quando esse tipo de trabalho é realizado, o que se busca é o melhoramento genético, para produzir touros, produzir matrizes que tenham essa eficiência ao final. "Esse é o combo de genética, de macho e de fêmea e de tecnologia que a Agro Antonio Balbino se dispõe a colocar no mercado".

Clique aqui e acesse gratuitamente nosso e-book. Nele você encontrará mais informações sobre FIV e melhoramento genético.